The influence of family health strategy on health indicators in the municipalities of Rio de Janeiro, Brazil

Carinne Magnago, Celia Regina Pierantoni, Tania França, Ana Cláudia Garcia, Márcia Silveira Ney, Karen Matsumoto

Abstract


ABSTRACT: This study examines the behavior of health indicators deployment of Family Health in the cities of Rio de Janeiro, Nova Iguaçu and Duque de Caxias. This is ecological study of time series of selected variables in the period 1998 to 2010. Data were collected at the websites of DATASUS and Department of Primary Care and later exported into a spreadsheet, tabulated and analyzed using inferential statistics with calculation of Pearson coefficient (r) and t test at a significance level of 5% (α = 0.05). There was a strong negative correlation with statistical significance between the evolution of family health and: number of deaths from infectious and parasitic diseases in Rio de Janeiro and Duque de Caxias; frequency of hospitalized children with diarrhea in Rio de Janeiro and Nova Iguaçu; and frequency of hospitalization for diabetes mellitus in Rio de Janeiro. It is concluded that the strategy of family health influence the behavior of health indicators for the cities studied, however, further research will be needed to investigate further the impact of family health in cities with high population density.

Keywords


Family health; Primary Health Care; Health Status Indicators

Full Text:

HTML

References


Brasil, Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Saúde da família no Brasil: uma análise de indicadores selecionados: 1998-2005/2006. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.

Viana AL, Dal Poz MR. A Reforma do Sistema de Saúde no Brasil e o Programa de Saúde da Família. Physis (Rio J.) 2005;12(sup):225-64.

Machado CV, Lima LD, Viana LS. Configuração da Atenção Básica e do Programa Saúde da Família em grandes municípios do Rio de Janeiro, Brasil Cad saúde pública 2008;24(sup1):S42-S57.

Brasil, Ministério da Saúde. Avaliação da Implementação do Programa Saúde da Família em dez grandes centros urbanos. Síntese dos principais resultados. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

Brasil, Ministério da Saúde. Diretrizes operacionais para os pactos pela vida, em defesa do SUS e de gestão. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Pierantoni CR, Varella TC, Monteiro VO, Santos MR, França T. Reconfigurando perfis profissionais: a especialização em saúde da família. In: Pierantoni CR, Viana AL, organizador. Educação e Saúde. São Paulo: Hucitec; 2010. p. 224-39.

Caetano R, Dain S. O Programa de saúde da família e a reestruturação da atenção básica à saúde nos grandes centros urbanos: velhos problemas, novos desafios. Physis (Rio J.) 2002 Jan.-June;12(1):11-21.

Bousquat A, Cohn A, Elias PE. Implantação do Programa Saúde da Família e exclusão sócio-espacial no Município de São Paulo, Brasil Cad saúde pública 2006 set.;22(9):1935-43.

Brasil, Ministério da Saúde. Projeto de Expansão e Consolidação do Saúde da Família (PROESF). Brasília: Ministério da Saúde; 2003.

Pereira MG. Epidemiologia: teoria e prática. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2006.

Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro, Comissão Intergestores Bipartite. Resolução CIB-RJ nº 648 de maio de 2009. Constitui os Colegiados de Gestão Regional do Estado do Rio de Janeiro.

Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro, Comissão Intergestores Bipartite. Resolução CIB-RJ nº 753 de novembro de 2009. Aprova nova região de saúde.

Organização Pan-Americana da Saúde, Rede Interagencial de Informações para a Saúde – Ripsa. Indicadores básicos de saúde no Brasil: conceitos e aplicações. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2002.

Levin J, Fox JA. Estatísticas para ciências humanas. 9ª. ed. São Paulo: Prentice Hall; 2004.

David F, C. O Programa de Saúde da Família em São Paulo. Estud Av 1999; 13(35):89-100.

Brasil, Ministério da Saúde, Secretaria de Políticas de Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Plano de reorganização da atenção à hipertensão arterial e ao diabetes mellitus. Brasília: Ministério da Saúde; 2001.

Miranzi SSC, Ferreira FS, Iwamoto HH, Pereira GA, Miranzi MAS. Qualidade de vida de indivíduos com diabetes mellitus e hipertensão acompanhados por uma equipe de saúde da família. Texto & contexto enferm 2008 Out-Dez;17(4):672-9.

Abreu RDC, Rocha LA, Albuquerque ALP, Fialho AVM, Moreira TMM. Nursing related to arterial hypertension: analysis of the production of the knowledge from 1995 to 2005. Online braz. j. nurs. [periódico online]. 2006;5(3) [Acesso em 22 mar. 2011]; Disponível em: http://www.objnursing.uff.br/index.php/nursing/article/view/584/137

Rolim MO, Castro ME. Compliance to the Hypertension Control Program and the Standardized Nursing Results: an exploratory study. Online braz. j. nurs. [periódico online]. 2007;6(1) [Acesso em 22 mar. 2011]; Disponível em: http://www.objnursing.uff.br/index.php/nursing/article/view/713/161

Brasil, Ministério da Saúde. Saúde Brasil 2007: uma análise da situação de saúde. Perfil de Mortalidade do Brasileiro. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.

Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública. Relatório Estudo de Linha de Base - Projeto de expansão da estratégia de saúde da família no município de Duque de Caxias, Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2006.

Ney MS. Condições de fixação do médico no Programa Saúde da Família. [Dissertação]. Rio de Janeiro: Universidade Estácio de Sá; 2009. 128p. Mestrado em Saúde da Família.

Varella TC, Pierantoni CR. Mercado de Trabalho: revendo conceitos e aproximando o campo da saúde. A Década de 90 em Destaque. Physis (Rio J.) 2008;18(3):521-44.

Pierantoni CR. Reformas do Estado, da saúde e recursos humanos: limites e possibilidades. Ciênc saúde coletiva 2001;6(2):341-60.




DOI: https://doi.org/10.5935/1676-4285.20113211