Online braz j nurs

Isabel Cruz, RN, PhD. OBJN Editor

picture by Paulinho Ganaê

Moodle and nursing teaching – a brief experience report

Moodle e o ensino de enfermagem– breve relato de experiência

Isabel CF da Cruz*

* Editora do Online Brazilian Journal of Nursing; coordenadora do Mestrado Profissional Enfermagem Assistencial, UFF, RJ, Brazil.

Abstract. Distance-learning based on the web am Technology Information (TI) have  been important in recent health policy initiatives, but still a challenge for nursing. This article points out an experience with Moodle to support Nurse Education.

Keywords: internet; teaching; nursing

Resumo. O ensino a distancia baseado na web e as tecnologias de informação (TI) são importantes para as recentes políticas de saúde, mas ainda são um desafio para a enfermagem. Este artigo descreve uma experiência com o Moodle para apoiar o ensino de enfermagem.

Palavras-chave: internet; ensino; enfermagem 

Breve descrição do contexto

Ainda está em fase inicial, a utilização de tecnologias de informação (TI) para a ensino a distância (EAD) na área da saúde, de uma maneira geral. O Ministério da Saúde lançou em 2007 a Universidade Aberta do SUS  para colocar em andamento um projeto que pretende inclusive formar em nível de graduação e pós-graduação.

Descrição do problema

Diante do desse novo desafio na área da enfermagem, da minha parte, comecei a desenvolver uma habilidade já necessária para o desenvolvimento profissional, a saber: utilização de tecnologias de informação (TI) e de comunicação [1] [2]  na facilitação do ensino-aprendizagem em enfermagem.

Processo de obtenção dos dados

Nos meus passeios aleatórios pela internet, me deparei com o Moodle. Kaminski[3] explica rápido e bem o que é o Moodle. Então, por ser auto-didata e pão-dura, ao encontrar um software aberto e gratuito para apoio ao ensino, aderi de imediato. O objetivo era usá-lo para o “blended learning”, ou seja, combinando a ensino tradicional e presencial com as práticas interativas de e-learning baseado na web.

Análise e interpretação

Pensei em usar o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) para dar suporte às atividades do mestrado profissional. Desisti quase imediatamente, tendo em vista o número de pessoas que teria que “converter” em pouco tempo para o uso de TI.

Assim, resolvi usar, a partir de julho de 2008, o AVA para me dar apoio nas atividades com a graduação e os cursos de especialização. O suporte técnico para o uso do Moodle é feito pelo NEAMI – Núcleo de Educação Assistida por Meios Interativos, da Universidade Federal Fluminense.

Enquanto professora, numa escala de 0 a 10, resumo a minha avaliação do Moodle na nota 9,9. Afinal, nada é perfeito mesmo. E, provavelmente, os defeitos que ele apresenta podem ser atribuídos às poucas habilidades da usuária!

Assim, para corrigir algumas das minhas deficiências, resolvi me fazer um curso formal de especialização a distância e me candidatei e fui aprovada para o curso de Planejamento, Implementação e Gestão da Educação a Distância, oferecido pelo LANTE- Laboratório de Novas Tecnologias de Ensino, da Universidade Federal Fluminense.

Quanto aos alunos, trago aqui uma síntese da avaliação dos alunos da licenciatura em enfermagem

Figura 1- Expectativas quanto a disciplina com apoio do AVA (1ª. Semana)

O próprio Moodle oferece ao docente uma série de questionários de avaliação da disciplina. Neste, sobre a expectativa, 23 alunos (a turma tinha 29 alunos) mostraram-se motivados.

Na figura a seguir, veremos a avaliação final dos alunos.

Figura 2- Avaliação sobre a disciplina com apoio do AVA (15ª. Semana)

A figura 2 sintetiza a resposta de 24 alunos. O quadro se mantém quase inalterado, exceto pela queda em 02 categorias: apoio dos tutores (um único: eu mesma!) e apoio dos colegas.

Não precisa ler a bola de cristal, nem jogar os búzios para afirmar que independente das dificuldades e expectativas pessoais, o processo de ensino-aprendizagem baseado na web está prestes a fazer parte do cotidiano de todas as enfermeiras e, se Deus quiser, da minha Escola de Enfermagem.

Estratégias para mudanças

Assim, a minha sugestão é que iniciemos o mais rápido possível, e de forma sistemática, a aquisição e o desenvolvimento dessas habilidades sobre o uso em enfermagem (ensino, cuidado do paciente, gestão, pesquisa, etc)  dos mais diversos equipamentos (celular, netbook, PDA, etc) e recursos (blogs, chats, etc) que envolvem a tecnologia da informação e a web.

Próximos passos

Pessoalmente, aprofundar o aprendizado sobre a utilização de Ambiente Virtual de Aprendizagem e ensino a distância na área de enfermagem.

Profissionalmente, manter e incrementar o uso do AVA como apoio às atividades de ensino-aprendizagem.

Afinal, dá para imaginar cuidado de enfermagem centrado no paciente com base em evidência científica em instituições de saúde seguras sem apoio de TI? No século XXI? Fala sério!

Referências

[1] Cruz I. PopSaude (Pop Health): tips for health and wellness on television - a preview note Online Brazilian Journal of Nursing [serial on the Internet]. 2005 December 1; [Cited 2009 April 19]; 4(3). Available from: http://www.uff.br/objnursing/index.php/nursing/article/view/127

[2] Cruz I. Preview Note – scientific television shows solutions for ordinary problems Online Brazilian Journal of Nursing [serial on the Internet]. 2006 April 22; [Cited 2009 April 19]; 5(1). Available from: http://www.uff.br/objnursing/index.php/nursing/article/view/284

 

OBJN: 8 years!!!!
Thank you all!

Ogum protects the roads and the internet is a virtual road. Ogum is also the god of technology.
He used the iron to create the instruments that help people to work for a better life and to build a better world. He is with us since the beginning.I pray to him to be with us always.

Ogunhê!

Imagem: http://www.pallaseditora.com.br/ Bianca Earp